*

*
*

terça-feira, 14 de março de 2017

A verdade dos fatos - Por Cristiane Bacelar




Nós, agentes públicos, devemos sempre ouvir o que é dito para que possamos fazer um diagnóstico da situação. Ultimamente, chama-nos atenção fatos incessantes de agressões nas redes sociais por parte de um grupo de pessoas, principalmente blogueiros.


Assustou-me ler postagens que não condiziam com a verdade e vi que isso estava causando danos para a própria população. Esse estado de pânico imposto por publicações constantes nas redes sociais tem deixado a população agressiva. Em conversas com profissionais e principalmente médicos, eles alegam que ao se dirigir ao serviço de saúde todos tem chegado bem exaltados como se já viesse na defensiva. 


Tem-se propagado muito assuntos sobre a UPA, Unidade de Pronto Atendimento, um local que tem a obrigação de atender apenas 5% dos casos de saúde de uma cidade. Estamos vendo em números que 90% dos atendimentos poderiam ser feitos nos prontos-socorros das UBS dos bairros e mesmo na consulta rotineira. Devemos recorrer a UPA apenas em caso de queimaduras, suspeitas de derrame ou infarto, infecções de urgência, convulsões, fraturas ou cortes profundos, procedimentos de urgência e emergência, sintomas súbitos como febre alta, falta de ar, dor aguda e forte. 


Os atendimentos crescem nesse período de chuva pela disseminação maior de vírus e bactérias. Tudo dentro de sua normalidade, com o suprimento adequado de medicamentos mesmo que eles sejam consumidos em determinados dias de forma intensa.


A população tem se dirigido em massa para UPA pois sendo uma estrutura nova, do segundo semestre do ano passado, ela foi prometida erroneamente como a solução de todos os problemas de saúde.  Entretanto, devemos direcionar para o correto funcionamento pois a população não tem obrigação de saber, nós, gestão, é que temos que explicar.

Temos na cidade 7 UBS (Unidade Básica de Saúde) na zona urbana e 4 na zona rural que fazem parte da Atenção Básica, serviço que é responsável por 80% dos problemas de saúde dos usuários, aqui se faz a consulta básica, avalia, investiga e encaminha para o especialista ( se for o caso), pede retorno com exames e prescreve o tratamento.

 Na atenção básica devemos acompanhar famílias e investigar a melhor forma de atender suas necessidades em saúde através de 13 ESF (Estratégia Saúde da Família), 13 ESB (Estratégia Saúde Bucal) e os Agentes Comunitários de Saúde que visitam casa a casa. Nas UBS os procedimentos são consultas médicas e de enfermagem, tratamento, acompanhamento do tratamento, medicamentos gratuitos, vacinas, pré-natal, acompanhamento de hipertensos, diabéticos e outras doenças como tuberculose e hanseníase. As UBS são a porta de entrada do SUS, e sendo assim contribuem para o aumento da qualidade de vida e redução dos encaminhamentos aos hospitais e emergências. 


Na média complexidade, contratamos médicos especialistas em ginecologia, urologia, pediatria, cardiologia, cirurgião, infectologista, psiquiatra, ortopedista, oftalmologista. Todos os serviços estão retornando ao seu funcionamento normal, mesmo que para alguns dependa de licitação. Temos um laboratório que depende de equipamentos e reagentes, que está voltando na próxima semana em condições adaptadas, mas nunca deixamos de atender exames essenciais em parceria com a rede privada. 

Encontramos o centro cirúrgico interditado pela vigilância sanitária, já está funcionando. Estamos com o mamógrafo interditado também pela vigilância por más condições de uso, o local do exame e da processadora estão colocados em locais inadequados e a máquina descalibrada. Mediante a reforma do prédio que possui grandes problemas na sua estrutura e contratação de serviços de manutenção e maquinas, a vigilância sanitária  do Estado liberará o uso. 

Precisamos reformar a Maternidade, comprar material de uso contínuo como rouparias, equipar para atender melhor. Terminar a reforma de 9 UBS na cidade e  zona rural que tiveram todo dinheiro recebido mas não foram terminadas,  estamos notificando judicialmente para justificar o uso do dinheiro que sumiu e não foi usado para a finalidade. Mudaremos o SAMU para a verdadeira base dele e que também deverá ser reformado. Formar os profissionais de Caps e licitar medicamentos e transporte para que seja feito um trabalho com qualidade. 


Tudo dever ser feito com responsabilidade para que os profissionais trabalhem e recebam por seus serviços e a população receba o serviço que lhe é devido. 
A nossa Vigilância em Saúde é responsável pelo controle e prevenção de doenças como hanseníase, tuberculose, hepatites virais, dengue, zika,  chicungunya, leishimaniose, meningites, DSTs/Aids; acidentes com animais peçonhentos e violências;  além de estudar as condições sanitárias, ambientais e epidemiológicas do município. 

Estamos a caminho para implantar um Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) que são serviços de saúde que realizam ações de diagnóstico e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. Nesses serviços, é possível realizar testes para HIV, sífilis e hepatites B e C gratuitamente.

Encontramos o município em condições epidemiológicas e sanitárias degradantes,  com índices altíssimos de várias doenças, vários casos de gestantes com pré-eclâmpsia, hanseníase agravadas, índices alarmantes de diabetes etc. Fornecimento de psicotrópicos ausentes a dois anos. Prédios com problemas estruturais severos. 
Não estamos negando os problemas e as dificuldades, o que mais me chama a atenção neste momento são as excessivas publicações mentirosas e o desejo de pertubar o trabalho que vem exclusivamente favorecer a população mais carente. 

Agora, num diagnóstico posso afirmar que o desejo de perturbar é tao grande porque a certeza do progresso está presente em suas mentes. O ex-gestor tem tanta certeza que a administração do Prefeito Américo terá sucesso que ele logo se armou de blogueiros para disseminar informações perturbadoras e mentirosas desde a primeira semana de gestão. Vamos firmes porque o exército de bons soldados está sendo formado e postos marcharemos rumo ao progresso e a construção de nossa Coelho Neto.

Cristiane Vasconcelos Bacelar
Secretaria Municipal de Saúde